Powerhive Quénia

Projeto de microrredes montado no solo para ligar 60 000 quenianos a eletricidade limpa pela primeira vez nos próximos dois anos.

Cerca de 60 000 pessoas que vivem na zona rural do Quénia devem ganhar acesso à eletricidade pela primeira vez depois de a REPP aprovar uma instalação de financiamento baseada em resultados de 3 milhões de dólares para este projeto de microrrede.

A fase 2 do esquema — que segue um piloto bem-sucedido de quatro redes — envolverá a instalação de cerca de 100 microrredes montadas no solo que fornecerão energia limpa para as comunidades rurais nas regiões Kisii e Nyamira no sudoeste do Quénia nos próximos dois anos.

Combinadas, as microrredes fornecerão até 1 MW de capacidade de geração. A eletricidade será vendida diretamente a residências e empresas locais pela promotora Powerhive East Africa Ltd com base em pré-pagamento. Cada sistema incluirá baterias para oferecer energia fiável aos clientes.

A instalação de financiamento da REPP permitirá que a Powerhive conclua a implantação bem-sucedida da fase 2 e cresça em escala suficiente para atrair financiamentos adicionais de dívida e capital e continue a construir microrredes no Quénia.

Até 2016, as microrredes não eram licenciadas, mas “toleradas” no Quénia. A Powerhive abriu novos caminhos quando se tornou a primeira empresa privada a ser licenciada para o desenvolvimento de microrredes. Espera-se que o sucesso do empreendimento facilite o funcionamento de outras promotoras privadas no Quénia e ajude na criação de um modelo de negócios sustentável.

Estrutura de financiamento

Data de contratação: 24 de maio de 2018
Tipo de empréstimo: empréstimo baseado em resultados com opção convertível
Financiamento da REPP: 3 000 000 $

A instalação da REPP tem sido fundamental para libertar o potencial de microrredes para a Powerhive no Quénia. Além de fornecer aos investidores em ações uma estrutura para entender como os projetos de microrrede da Powerhive podem ser alavancada pela dívida do projeto, também é uma grande demonstração de confiança na nossa plataforma baseada em dados, que pretendemos implementar no Quénia e mais amplamente na África no futuro.
- Christopher Hornor, fundador e CEO, Powerhive